Portais de Luz

Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Parceria

Facebook
Setembro 2019
SegTerQuaQuiSexSabDom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      

Calendário Calendário

Últimos assuntos
» Visconde de Mauá
energia - Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides EmptyQui Ago 23, 2018 4:18 pm por fernandojorge

» Atendimento Portais de Libertação
energia - Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides EmptyQui Maio 17, 2018 6:42 pm por Lancelot

» Mago.Hellblazer
energia - Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides EmptyQui Maio 17, 2018 5:32 pm por Lancelot

» A história da Umbanda
energia - Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides EmptyQui Dez 21, 2017 11:36 pm por Lancelot

» Espaços mágicos e correntes
energia - Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides EmptyQua Dez 20, 2017 11:29 pm por Lancelot

» Piano Bar Convívio
energia - Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides EmptyQua Dez 20, 2017 10:49 pm por Lancelot

» O poder das Pedras Pretas : para limpeza energética e proteção
energia - Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides EmptyQua Dez 20, 2017 10:46 pm por Lancelot

» Um regresso
energia - Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides EmptyQua Dez 20, 2017 12:11 pm por Lancelot

» Feliz Natal 2017
energia - Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides EmptyTer Dez 19, 2017 10:34 pm por Lancelot


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Portais de Luz » Ocultismo » Ocultismo em Geral » Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides

Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

Energia Telúrica, Linha de Ley e as Pirâmides

Existe uma segunda classe de linhas energéticas que correm pelo planeta, chamadas “Linhas Telúricas”. Energia Telúrica é uma corrente elétrica de baixa freqüência e que percorre grandes áreas do planeta, que se movimenta debaixo da terra e nos oceanos, já fartamente comprovada pelos cientistas, mas quase totalmente inexplorada por falta de interesse das autoridades. Afinal de contas, para quê investir em energia gratuita para a população quando se pode cobrar por ela?

A junção dos centros energéticos das Linhas de Ley com o fluxo das linhas telúricas produz enormes quantidades de energia, que podem ser manipuladas e controladas através de determinados monumentos. A geometria sagrada das pirâmides e dos círculos de pedra é capaz de canalizar e focar todas estas energias para usos específicos, da mesma maneira como as agulhas de acupuntura são utilizadas nos centros energéticos em um ser humano para acionar determinados tipos de energia em nossos corpos.

Estas energias são captadas e projetadas dentro dos círculos, nas câmaras das pirâmides ou dentro de certas cavernas, através de ajustes “fechando” determinados circuitos (lembram-se quando eu expliquei que a Câmara dos Reis podia ser regulada?) para gerar campos eletromagnéticos muito fortes e harmônicos, que vibram em ressonância com determinados chakras nos seres humanos, abrindo-os totalmente e desenvolvendo certas faculdades.

O tipo de ressonância era escolhido de acordo com a necessidade ou ritual – no caso das pirâmides e do ritual de iniciação de um faraó ou sacerdote, as forças envolvidas naquele “mergulho” nas águas primordiais em ressonância com a pirâmide em determinadas datas abria totalmente os chakras Anja e Sahashara, despertando no iniciado poderes de clarividência, telepatia, intuição, projeção astral e muitos, muitos outros.

Nós dizemos que os círculos e pirâmides eram observatórios espaciais, mas a verdade é que, dentro de certos campos energéticos gerados nestes locais, os sacerdotes possuíam uma visão astral tão desenvolvida que as visões e cálculos que faziam em transe eram tão avançadas e precisas quanto os melhores observatórios astronômicos do século XX. Isto permitiu a eles construírem tabelas de relações entre planetas, períodos e signos precisos o suficiente para fundamentar a ciência da Astrologia. Claro que os círculos, pirâmides e cavernas também possuíam funções ritualísticas e de celebrações. Faziam às vezes das igrejas e templos de encontro nas vilas.

Graças ao estudo e conhecimento do O Grande Computador Celeste, das projeções astrais e das rodas astrológicas, os antigos conseguiam prever com exatidão as reencarnações de seus reis, líderes espirituais e Avatares.

Para exemplificar estes circuitos telúricos, aqui está um mapa da estrutura de Stonehenge vista de cima. Repare nas linhas energéticas que cruzam as pedras externas do círculo. Ao todo, são 12 pontas na estrela, que serviam para marcar a posição do sol e planetas em comparação com os 12 signos e para canalizar as energias de Ley e Telúricas para o interior do círculo.


As pedras centrais fecham um circuito mais poderoso em conjunto com 6 pedras externas (os pontos 465-55-210 e 325-15-120), que eram usados em determinadas datas para rituais específicos. Estas datas eram solstícios, equinócios e noites de lua cheia (os chamados sabbaths e esbaths). Os ritos incluíam aumento da fertilidade, da produção, curas, preparação da saúde das pessoas para o inverno rigoroso, aumento das habilidades artísticas, de caça, pesca, uma fusão maior com a natureza, etc.

Os mais observadores já devem ter percebido que esta curiosa estrutura de pedras que descrevi forma uma estrela de Davi. Mas o que um símbolo “judeu” está fazendo em um monumento celta?

Aproveito para uma observação sobre Stonehenge: Apesar de Stonehenge ser construída com base nos mesmos moldes dos templos romanos, ela possui 10 conjuntos de pedras, sendo que o local onde fica a sexta posição é o local onde os sacerdotes levavam certas pedras como as Lia Fail ou Pedra de Scone (a bíblia fala sobre a pedra onde Jacob descansou sua cabeça antes de vislumbrar a “Escada de Jacó” mas falaremos mais sobre isso na Kabbalah) que faziam às vezes de canalizador de energia (como a Arca da Aliança fazia nas Pirâmides). Ou seja: da mesma maneira que os sacerdotes egípcios recebiam suas iniciações dentro da pirâmide na câmara do Faraó, os sacerdotes celtas recebiam suas iniciações neste ponto do círculo. E este costume mágico continua até os dias de hoje. TODOS os reis e rainhas da Inglaterra e Escócia não eram coroados se não estivessem sentados sobre a “Pedra de Scone”.

Além destas mega-construções em pedra, os antigos também se utilizavam de cristais para focar e canalizar estas energias, de modo a harmonizá-las com seus pontos, a nível pessoal, planetário e sideral (nos monumentos de pedra). Na Atlântida, os cristais eram usados como computadores maravilhosos, movidos por energia mental, capazes de armazenar nossos pensamentos e emoções, ligados entre si através das Linhas de Ley.

Quando eu digo que os antigos possuíam uma tecnologia sensacional, com VIMANAS, engenharia genética, supercomputadores e tudo mais, você pode se perguntar “mas e os homens das cavernas? E os primitivos?” e a resposta é: a Terra sempre está povoada por regiões de evolução mental, espiritual e cultural muito distinta… enquanto os atlantes e lemurianos tinham toda esta tecnologia ao seu dispor, em outras regiões do planeta estavam quase-macacos venerando o sol e a lua como se fossem deuses. Se você achar tão difícil assim compreender este cenário, compare a Noruega com a Serra Leoa nos dias de hoje, século XXI.

Dizem que estes cristais ainda estão por aí, a maioria submersos, mas alguns chegaram até a gente através dos incas, maias, astecas e um ou outro tesouro templário, mas nos falta tecnologia para ativá-los, pois estes cristais não são ativados por aparelhos, mas por ondas mentais específicas que ainda temos de evoluir um tanto para atingir estes patamares.

Hoje em dia, cristais podem ser usados para regular nossa energia. Colocando-os sobre os nossos chakras e fazendo certas respirações e meditações, conseguimos ativar (através das freqüências de nossos pensamentos pela meditação) algumas das características destes cristais. O grande problema é que a imensa maioria das pessoas não tem a disciplina mental necessária para ativar corretamente estes cristais através da visualização (que é uma técnica que existe em praticamente todas as ordens iniciáticas – é o be-a-bá da magia) então os resultados são algo muitas vezes falho e imprevisível, o que dá margem pra charlatanismo e especulações, colocando em total descrédito estas técnicas.

Histórias sobre estes computadores de cristal conectados a Linhas de Ley sobreviveram entre os profanos na forma das lendas de “bolas de cristal” das bruxas.

A palavra chakra vem do sânscrito e significa roda, disco, centro, plexo. Nesta forma eles são percebidos por videntes como vórtices (redemoinhos) de energia vital, espirais girando em alta velocidade, vibrando em pontos vitais de nosso corpo. Os chakras são pontos de interseção entre vários planos e através deles nosso corpo etérico se manifesta mais intensamente no corpo físico.

Os vedas (2.000 a. C.) contêm os mais antigos registros sobre chakras de que se tem notícia. Quando foram escritos, a Yoga já sistematizava o conhecimento e o trabalho energético dos chakras.

São sete os principais chakras, dispostos desde a base da coluna vertebral até o alto da cabeça e cada um corresponde à uma das sete principais glândulas do corpo humano. Cada um destes chakras está em estreita correspondência com certas funções físicas, mentais, vitais ou espirituais. Num corpo saudável, todos esses vórtices giram a uma grande velocidade, permitindo que a “prana”, flua para cima por intermédio do sistema endócrino. Mas se um desses centros começa a diminuir a velocidade de rotação, o fluxo de energia fica inibido ou bloqueado - e disso resulta o envelhecimento ou a doença.

Os chakras são conectados entre si por uma espécie de tubo etérico ( Nadi ) principal chamado “sushumna”, ao longo do eixo central do corpo humano, por onde dois outros canais alternados “Ida” que sai da base da espinha dorsal à esquerda de sushumna e “pingala” à direita ( na mulher estão invertidas estas posições ).

Os nadis conduzem e regulam o “prana” ( energias Yin e Yang ) em espirais concêntricas. Estes nadis são os principais, entre milhares, que percorrem todo o corpo em todas as direções, linhas meridianos e pontos. Para os hindus os nadis são sagrados, é por meio da “Sushumna” que o yogi deixa o seu corpo físico, entra em contato com os planos superiores e traz para o seu cérebro físico a memória de suas experiências.

Lembrando mais uma vez: “tudo o que está em cima é igual ao que está embaixo”. Somente quando os cientistas perceberem que tudo está em sincronicidade e passarem a estudar o planeta como um único e gigantesco mecanismo perfeito é que podemos pensar em “evolução”. Até lá, acupuntura, feng-shui, cristais e astrologia são “pseudo-ciências”, linhas de ley, energias telúricas, triângulo das bermudas e círculos de pedra são “coisas inexplicáveis”, pirâmides são “tumbas do faraó”… e nada disso está relacionado!


(Texto: Marcelo Del Debbio)

Fonte:ponteoculta.blogspot

Ver perfil do usuário https://portaisdeluz.forumeiros.com

Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Tópicos similares

-

» Lola Cosmetic

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum