Portais de Luz

Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Parceria

Facebook
Setembro 2019
SegTerQuaQuiSexSabDom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30      

Calendário Calendário

Últimos assuntos
» Visconde de Mauá
religião - Religião Grega EmptyQui Ago 23, 2018 4:18 pm por fernandojorge

» Atendimento Portais de Libertação
religião - Religião Grega EmptyQui Maio 17, 2018 6:42 pm por Lancelot

» Mago.Hellblazer
religião - Religião Grega EmptyQui Maio 17, 2018 5:32 pm por Lancelot

» A história da Umbanda
religião - Religião Grega EmptyQui Dez 21, 2017 11:36 pm por Lancelot

» Espaços mágicos e correntes
religião - Religião Grega EmptyQua Dez 20, 2017 11:29 pm por Lancelot

» Piano Bar Convívio
religião - Religião Grega EmptyQua Dez 20, 2017 10:49 pm por Lancelot

» O poder das Pedras Pretas : para limpeza energética e proteção
religião - Religião Grega EmptyQua Dez 20, 2017 10:46 pm por Lancelot

» Um regresso
religião - Religião Grega EmptyQua Dez 20, 2017 12:11 pm por Lancelot

» Feliz Natal 2017
religião - Religião Grega EmptyTer Dez 19, 2017 10:34 pm por Lancelot


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Portais de Luz » Civilizações » Civilizações » Religião Grega

Religião Grega

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1religião - Religião Grega Empty Religião Grega em Qui Out 11, 2012 3:23 pm

Dag


Caminhante
ἐὰν μὲν κεχαρισμένα τις ἐπίστηται τοῖς θεοῖς λέγειν τε καὶ πράττειν εὐχόμενός τε καὶ θύων, ταῦτ' ἔστι τὰ ὅσια, καὶ σῴζει τὰ τοιαῦτα τούς τε ἰδίους οἴκους καὶ τὰ κοινὰ τῶν πόλεων·.


Se alguém sabe dizer e fazer o que é agradável aos deuses, com preces e sacrifícios, isso é a piedade, que salva a família e cidade.
Platão, Euthphr. 14b
Religião grega, ao contrário do que se imagina, não é a mesma coisa que Mitologia grega. A "mitologia" reúne histórias que podem envolver ou não fenômenos sobrenaturais ("divinos"); a "religião" abrange todas as formas de comportamento através dos quais o homem procura se relacionar com a divindade.

Os antigos gregos não utilizavam nenhuma palavra parecida com o termo "religião", de uso corrente entre nós; para eles, o que importava era a εὐσέβεια, "piedade", ou seja, o respeito e a reverência devida aos deuses. Tudo era da alçada dos deuses e deles não se esperava nenhum favor especial pois, a exemplo dos homens, eles agiam de acordo com o que recebiam ("toma lá, dá cá"). Um dos mais antigos testemunhos desse relacionamento simples e direto entre adoradores e adorados é a inscrição gravada pelo tebano Mantiklos por volta de -700 em uma estatueta: "Mantiklos me oferece a
Apolo do arco de prata; agora tu, Febo, dá-me em troca algo prazeroso".

Havia práticas religiosas públicas, como o culto aos deuses do Olimpo e aos
heróis em diversos templos e santuários, e festivais religiosos de diversos tipos realizados periodicamente pelas póleis. Não havia textos sagrados, nem regras fixas, nem sacerdotes profissionais; eram os adivinhos e os oráculos, intérpretes das revelações da vontade divina, que auxiliavam os homens a entender os desígnios dos deuses.

Na vida privada, além das preces e oferendas de caráter pessoal a um deus ou a um
herói, era praticado o culto aos mortos. Após a morte, todos iam para o mesmo lugar, o Hades; mas, para isso, era essencial que todos os ritos fúnebres fossem escrupulosamente cumpridos.

Havia ainda os cultos de mistérios, em que os fiéis recebiam ensinamentos relacionados com a vida após a morte; os dois mais importantes, os Mistérios Eleusinos e o Orfismo, foram famosos durante toda a Antiguidade. Esses cultos eram chamados de mistérios porque suas doutrinas e rituais podiam ser revelados somente aos iniciados, que juravam mantê-los em segredo.



Última edição por Dag em Qui Out 11, 2012 3:27 pm, editado 1 vez(es)

Ver perfil do usuário

2religião - Religião Grega Empty Re: Religião Grega em Qui Out 11, 2012 3:24 pm

Dag


Caminhante
Os santuários e seus templos, geralmente dedicados a um ou mais deuses, ou a um herói, constituíam a expressão arquitetônica da piedade da pólis ou da comunidade que o construiu. Ao contrário dos modernos templos religiosos, o templo grego não se destinava a congregar periodicamente, em seu interior, os fiéis e suas celebrações religiosas.

Os templos começaram a ser construídos no século -VIII e às vezes foram erguidos em locais "sagrados" desde o
Período Micênico, dentro da pólis ou fora dela. Às vezes a simples proximidade de uma fonte, por exemplo, determinava o local da construção. Algumas cidades tinham, além do santuário dedicado à divindade padroeira, santuários dedicados a outras divindades, importantes para determinados segmentos da população.

Muitos santuários delimitavam um pequeno bosque, ou apenas uma fonte, uma gruta ou caverna, uma árvore, um altar, ou até mesmo uma simples elevação; as comunidades mais prósperas quase sempre erguiam um templo, que abrigava a imagem do deus e as oferendas recebidas por ele. O santuário, assim como o templo, eram propriedade do deus e acreditava-se que ele residia em "seu" templo, pelo menos durante um certo período do ano. Os sacerdotes que cuidavam do templo eram servos do deus.

O santuário típico era em geral constituído por um recinto sagrado, o τέμενος, separado do mundo secular pelo περίβολος, constituído por um muro ou por simples marcos. Dentro do santuário, a uma certa distância do templo e ao ar livre, ficava o altar onde eram efetuados os rituais comunitários ou privados em honra da divindade, tais como preces, sacrifícios e libações. As oferendas e ex-votos eram recebidos pelos sacerdotes, em nome do deus do local.

Alguns santuários, como o de
Apolo em Delfos, o de Zeus em Olímpia e o de Asclépio em Epidauro, reuniam muitas edificações, além do templo: tesouros, teatros, monumentos, etc. Esses santuários eram "internacionais" — pan-helênicos — e muito prósperos, pois serviam várias comunidades e recebiam muitos visitantes.

Certos santuários eram "especializados". O de Delfos, por exemplo, abrigava o mais famoso dos
oráculos gregos; o de Olímpia, festividades com disputas atléticas que reuniam participantes de toda a Hélade (os jogos olímpicos); o de Epidauro, as curas promovidas por Asclépio.



Última edição por Dag em Qui Out 11, 2012 3:26 pm, editado 1 vez(es)

Ver perfil do usuário

3religião - Religião Grega Empty Re: Religião Grega em Qui Out 11, 2012 3:25 pm

Dag


Caminhante
Alguns santuários adquiriram grande renome graças a um serviço especial prestado pela divindade ou herói local aos seus fiéis: a transmissão de conselhos e predições. A esses locais os gregos davam o nome de μαντεῖον e os romanos, de oraculum.

O oráculo era, na Grécia Antiga, o mais importante e o mais prestigioso meio de comunicação entre deuses e homens; a resposta da divindade às consultas de seus fiéis eram, no entanto, quase sempre enigmática. Ela era transmitida por meio de sinais ou através de uma espécie de transe que acometia um sacerdote ou sacerdotiza e, invariavelmente, requeria alguma interpretação.

As consultas eram apresentadas por indivídulos, póleis e até mesmo por reis estrangeiros, como Creso, rei da Lídia (Hdt. 1.46). Alguns oráculos eram "gerais", isto é, recebiam todo tipo de consulta; outros eram especializados, como por exemplo os
templos da cura de Asclépio e de Anfiarau, que orientavam os fiéis em questões de saúde e doença.

O costume de consultar divindades em sua residência terrena, isto é, no
templo em que era cultuado, é antiquíssimo e possivelmente tomou forma durante o Período Arcaico, em razão de influências orientais e egípcias. Dentre os numerosos oráculos gregos, o mais antigo, segundo a tradição, era o dedicado a Zeus em Dodona, norte da Grécia. O santuário de Apolo em Delfos, sede do mais famoso oráculo da Antiguidade, também é muito antigo, bem anterior a -750.

Ver perfil do usuário

4religião - Religião Grega Empty Re: Religião Grega em Qui Out 11, 2012 3:33 pm

Dag


Caminhante
Rituais complexos, envolvendo sacrifícios e outras atividades em honra a uma divindade, ocorriam regularmente em datas espefícas e em santuários específicos. Essas festividades, denominadas "jogos" ou "festivais", conforme o costume local e as atividades desenvolvidas, eram em geral patrocinadas pela pólis e constituíam uma das mais importantes manifestações religiosas do mundo grego.

Alguns festivais, como os jogos olímpicos (Olímpia) eram pan-helênicos, e o público era constituído de gente de várias comunidades; outros, como as Dafnefórias (Tebas), eram de alcance praticamente local. Com frequência, nos dias de festival não se trabalhava, não se guerreava, e as festividades eram uma oportunidade ímpar para descanso, recreação e confraternização da comunidade.


Os festivais eram extremamente numerosos; muitos relacionavam-se diretamente com o ciclo do ano agrícola e eram celebrados após a colheita. Todos eles, praticamente, envolviam procissões, sacrifícios e festins comunitários, mais as atividades específicas de cada um. Os Jogos Olímpicos, por exemplo, tinham competições atléticas e corridas de cavalos; os Jogos Ístmicos, competições atléticas e um concurso musical; as Dionísias Urbanas, concursos de ditirambos, tragédias e comédias; as Hiacíntias, concurso de canto coral e dança.

É provável que, primitivamente, os festivais eram apenas jogos fúnebres celebrados em honra de heróis locais. No início do século -VIII, o contexto fúnebre se perdeu e o significado religioso aumentou consideravelmente. Além dos tradicionais sacrifícios e das procissões, os concursos artísticos (música, poesia) e as provas atléticas assumiram papel cada vez mais proeminente.

Os festivais gregos, além de honrar os deuses e fornecer entretenimento à população, estimulavam a economia local, a educação e as práticas atléticas, e também favoreciam o contato entre cidadãos de diferentes partes do mundo helênico. Poetas e músicos tinham oportunidade de se apresentar e divulgar suas obras; artesãos, pintores, ceramistas, poetas e escultores eram frequentemente comissionados para celebrar, em obras de arte, os vencedores das competições — as odes de Píndaro que chegaram até nós, por exemplo, foram encomendadas por vencedores dos jogos atléticos.

Ver perfil do usuário

5religião - Religião Grega Empty Re: Religião Grega em Qui Out 11, 2012 3:36 pm

Dag


Caminhante
mitologia é um conjunto de narrativas maravilhosas com personagens sobre-humanos; religião é um sistema de crenças, geralmente míticas, e rituais através dos quais se procura estabelecer um relacionamento com as divindades. Os rituais se caracterizam pela combinação de gestos, palavras e atitudes repetidas em determinadas circunstâncias.
Mitologia


Para os gregos, todas as coisas aparentemente inexplicáveis eram sobrenaturais e decorrentes da ação de divindades que ninguém era capaz de ver ou, então, obra de heróis do passado.

Deuses e deusas comportavam-se como seres humanos: amavam, odiavam, comiam, bebiam, tinham filhos, etc. Eram, porém, imortais, poderosíssimos e muito, muito suscetíveis. Uma simples palavra errada, uma homenagem não efetuada, e a ira divina caía com todo o peso sobre os pobres mortais...

Os deuses mais importantes eram doze e viviam no Olimpo, um monte elevado e constantemente nevado localizado no extremo norte da Grécia. Eram eles: Zeus, senhor do raio e pai dos deuses e dos homens; Hera, a protetora do casamento; Deméter, a deusa da agricultura; Posídon, o senhor dos mares; Afrodite, deusa do amor sensual; Atena, deusa da sabedoria; Ares, deus da guerra; Apolo, deus da adivinhação, da música e da medicina; Ártemis, deusa da caça e protetora da vida selvagem; Hefesto, deus do fogo e dos metais; Hermes, condutor da alma dos mortos e mensageiro dos deuses; Dioniso, deus do vinho e da embriaguez.

Os heróis ou semideuses eram filhos de um deus e de uma mortal (ou vice-versa) e, embora mortais, eram capazes de façanhas sobre-humanas, como por exemplo derrotar certo número de monstros maléficos que haviam ameaçado a humanidade em tempos remotos. O mais popular de todos foi Héracles, que realizou os famosos e perigosíssimos "Doze Trabalhos" para expiar um crime involuntário.

É preciso mencionar também que, em meio às histórias de deuses e heróis, havia muitas narrativas fabulosas e relatos de aventuras maravilhosas, como a Odisséia e a viagem dos Argonautas, e epopéias guerreiras como a Guerra de Tróia.

Não faltavam, assim como em outras tradições míticas, animais fabulosos como a Esfinge, que tinha corpo de leão, cabeça de mulher e devorava quem não decifrava seus enigmas; os centauros, metade homem, metade cavalo; cães de três cabeças, serpentes gigantescas e muitos outros. As sereias, a propósito, embora imaginadas durante a Idade Média com corpo de mulher e cauda de peixe, são de origem grega e na realidade tinham corpo de ave e busto de mulher.

Religião


A religião grega, publicamente, era centrada no culto aos deuses do Olimpo em templos comunitários e altares e aos heróis, geralmente em suas tumbas. Privadamente, cultuava-se os deuses em altares domésticos e também os mortos; participava-se, ainda, dos assim chamados cultos de mistérios.

Pensava-se que os deuses interferiam diretamente nos assuntos humanos e que era necessário aplacá-los através de sacrifícios. A Asclépio, deus da Medicina, por exemplo, era costume sacrificar um galo. Os sacerdotes que auxiliavam os fiéis em suas preces e sacrifícios não constituíam o que hoje chamaríamos de "clero": considerados servos do deus, administravam seus templos e santuários, e na comunidade eram tratados como simples cidadãos.

Era possível, ocasionalmente, conhecer os desígnios dos deuses através da arte divinatória. Os adivinhos interpretavam as mensagens divinas contidas no vôo das aves, no aspecto das entranhas dos animais sacrificados e nos sonhos. Havia também os oráculos, locais sagrados em que um determinado deus respondia às perguntas de seus fiéis através de um intermediário (sacerdote), momentaneamente tomado por um êxtase ou loucura divina. O oráculo mais famoso da Grécia era o de Apolo, localizado na cidade de Delfos.

Festivais religiosos eram celebrados regularmente, para que toda a comunidade pudesse honrar o deus da cidade. As famosas Olimpíadas ou Jogos Olímpicos, por exemplo, eram festivais religiosos celebrados de quatro em quatro anos na cidade de Olímpia, em honra a Zeus. Nos festivais, além das cerimônias religiosas de praxe, havia também concursos de poesia, competições atléticas e corridas de carros

Ver perfil do usuário

6religião - Religião Grega Empty Re: Religião Grega em Sex Out 12, 2012 9:54 am

Vc caprichou Dag. Meus parabens.

Ver perfil do usuário https://portaisdeluz.forumeiros.com

Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum